Quando tomamos a decisão de seguir um estilo de vida saudável, quase sempre, a primeira mudança é na rotina alimentar. Contudo, essa pode ser uma ação confusa, afinal, atualmente é possível encontrar inúmeras opções de alimentos no mercado, que vendem o “saudável”. Entre eles, os naturais e os orgânicos. Você sabe qual é a diferença entre eles?    A verdade é que, diferente do que a maioria pensa, existe uma diferença muito grande entre os alimentos naturais e os orgânicos. O primeiro grupo agrupa todos alimentos encontrados na natureza, mas que, mesmo assim possam ter passado por alguma intervenção química, um exemplo disso é a adubagem com agrotóxicos. Contudo, mesmo com isso, eles são livres de ingredientes sintéticos, artificiais ou aditivos.   Já os orgânicos, que também abrange os alimentos encontrados na natureza, são cultivados de forma diferente. A produção é realizada através de matérias-primas provenientes também da natureza, sem adição de agrotóxicos ou qualquer outro produto químico. Dessa forma, eles não causam nenhum tipo de dano para o consumidor. Os alimentos desse grupo são certificados, e você pode conferir no ato da compra.    Então é ruim consumir alimentos naturais?   Se os alimentos naturais não são tão limpos como os orgânicos, é ruim nos alimentar deles? De jeito nenhum! Claro que a melhor opção é o grupo de alimentos orgânicos, mas os naturais também são uns dos mais saudáveis que você pode oferecer para o seu corpo. Quando são distribuídos de forma correta na rotina, eles oferecem muitos benefícios para a saúde, como o controle e prevenção de doenças crônicas, equilíbrio nutricional, controle do peso, além de serem muito mais saborosos no paladar.    O selo de certificação dos produtos orgânicos   “A certificação de produtos orgânicos, é o procedimento pelo qual uma certificadora credenciada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e “acreditada” (credenciada) pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro), assegura por escrito que determinado produto, processo ou serviço obedece às normas e práticas da produção orgânica. A certificação apresenta-se sob a forma de um selo afixado ou impresso no rótulo ou na embalagem do produto.” - Organics Net Como vimos, todos os alimentos orgânicos são naturais, mas nem todos os naturais são orgânicos. Engraçado, né?! Mas o importante é entender a segmentação dos produtos para não errar na hora de comprá-los!   A Vista Alegre  entende isso, e tem a certificação que comprova: somos completamente orgânicos! Isso porque apostamos em um rural que concilia a tecnologia com a tradição, a prática com a teoria, o suor do esforço com a dignidade do trabalho, a alegria de produzir saúde com a vontade de consumir o bem-estar.   Nossos alimentos são produzidos de forma sustentável, sem a utilização de agrotóxicos e fertilizantes químicos. A natureza é a nossa aliada, e os nossos funcionários dispõem de instalações e condições de trabalho que lhe proporcionam prazer e satisfação ao trabalhar.   Conheça nossos produtos, invista na sua saúde!  Acesse nossa loja on-line e confira.   
“Oh, Capim Branco, terra risonha Terra que sonha com alegria Tua boa gente tem emoção No coração [...] ” Como o próprio hino já diz, Capim Branco, é um lugar lindo, acolhedor, alegre e receptivo, além de possuir também, uma história marcante e importante para o nosso país.  Conhecido por muitos anos como “A terra do alho”, Capim Branco já foi um dos maiores municípios produtores de alho de todo o Brasil. Por muito tempo, essa atividade alavancou intensamente a economia do município, abastecendo o mercado mineiro e outros estados, além de ter movimentado também o turismo da cidade com grandes eventos e manifestações culturais, como: a Festa do Alho e os bailes, que atraíam pessoas de todo o Brasil, tornando a cidade bastante conhecida. Hoje a produção de alho em Capim Branco quase não existe, devido a uma doença que atingiu o município a alguns anos, conhecida como “Mofo Branco” , um fungo que contamina o solo e se mantém na terra por muitos anos. Essa doença alcançou diversos produtores de alho da época, que se viram obrigados a encerrar suas produções e muitos deles sofrem ainda hoje com essa doença no solo. Por isso não é exagero dizer que o Mofo Branco é uma das piores doenças enfrentadas pelos produtores rurais. Além disso, hoje a cidade enfrenta também uma grande concorrência na produção do alho, que é feita principalmente por grandes produtores no noroeste de Minas e grande parte do alho consumido em Minas e no Brasil é importado da Argentina e da China, por conta do baixo custo. Atualmente o Município destaca-se fortemente por sua agricultura orgânica, que tem ganhado a cada dia, mais e mais espaço no mercado mineiro. Para nós da Vista Alegre, a história da cidade permanece vivida em nossa fazenda e no nosso dia a dia. O Sô Nilo e o seu filho Marcone sócios da Vista Alegre, foram um dos primeiros comerciantes do Ceasa de Belo Horizonte desde a sua inauguração. E nessa época eles eram também um dos grandes produtores de alho atingidos pela doença do “Mofo Branco”. Hoje, o Sô Nilo e o Marcone, estão retomando a produção de alho na Vista Alegre, buscando reviver a história do alho em Capim Branco, além de produzir de um produto natural, com qualidade, sabor e claro, todo o amor que eles têm pela terra. Acesse o nosso site e conheça a nossa história e produtos.
Café na Roça com a Vista Alegre A partir do mês de julho estaremos abrindo a nossa agenda de visitas na Vista Alegre.   Serão 2 formatos de visitas:   1- Café na Roça com a Vista Alegre Um dia para trazer a família para conhecer um pouco da história da nossa fazenda. Beber leite de curral com bolo de fubá no café da manhâ. Colher os ovos no galinheiro. Ver o nosso moinho de pedra funcionando. Conhecer um pouco de todos os processos de produção do nosso projeto. Café da manhã com produtos da fazenda; Visita ao Moinho de Pedra e produção de fubá orgânico Coleta dos ovos (Visita à produção de ovos caipira) Colheita na horta (Visita na horta com colheita e consumo "direto do pé") 2- Dia no Campo Um dia para colocar a mão na massa e entender quais são alguns dos princípios básicos para produção de hortaliças orgânicas: Produção de húmus de minhocas e biofertilizante líquido Produção de mudas (preparo do substrato e plantio nas bandejas) Preparo de solo e adubação de plantio Plantio de mudas no solo Manejo de irrigação Colheita e pós colheita  
Receitinha da Bela Gil Ingredientes 1 coração pequeno de banana ½ xícara de vinagre ou suco de limão 2 colheres de sopa de azeite extra virgem 2 colheres de sopa de pimentão vermelho ½ cebola1 dente de alho 1 colher de chá de orégano 2 colheres de sopa de azeitona preta sal (a gosto) pimenta do reino (a gosto)   Modo de preparo Corte o pimentão em cubinhos, sem as sementes. Reserve. Corte a cebola em cubinhos e picar o dente de alho. Reserve. Retire as folhas grossas de fora do coração da banana, até atingir as folhas do centro, que são menos fibrosas. Reserve as folhas de fora caso queira utilizar como “cumbuquinha” para servir a caponata aos convidados.Corte o coração da banana em cubos pequenos.  Numa panela com água e ¼ xícara de vinagre, adicione o coração da banana e deixe ferver por 15 minutos. Escorra e repita o processo mais uma vez. Isto cortará a “cica” presente no coração da banana, além de retirar qualquer resquício de oxidação. Escorra e reserve. Numa frigideira grande, aqueça o azeite e refogue o pimentão, em seguida, a cebola e, por último, o alho. Deixe cozinhar bem. Adicione o coração da banana escorrido. Em seguida, adicione o orégano e as azeitonas, sem caroço e fatiadas. Tempere com o sal e a pimenta. Sirva.
Bom dia Girassóis como adubação verde. Ótima opção para incorporação nos solos, enriquecimento da matéria orgânica, colírio para os olhos de quem vê e ainda trará para perto as amigas maritacas.
© Copyright 2019 | Vista Alegre | Alimentos Orgânicos - Todos os direitos reservados